Sinopse

Os deuses da antiguidade clássica insuflavam os humanos com um “sopro da vida”. Insuflar pode dar forma, e pode dar vida. São curiosas, as palavras.: «aspiração» significa movimento respiratório que absorve o ar, mas também desejo ou anseio. Será que desejar tem algo a ver com respirar? Podemos insuflar os nossos sonhos como quem enche um balão? E se os largarmos, será que voam? Onde vão parar?

Esta é a história de uma grande aventura, ou melhor, três; uma para cada um dos personagens que foram parar a um mundo temporário, cuja natureza só vamos desvendar no final da viagem. Nem eles sabem bem o que são e o que estão ali a fazer. Mas vão descobrir que o que os leva ali é de suprema importância. Trata-se da força que comanda a vida, o tal sopro que gera as coisas novas.

Ah, outra pergunta: sopramos as velas porque fazemos anos ou fazemos anos porque sopramos as velas? 

Ar no corpo ou corpo no ar? Como é que se enche um corpo? Como é que se vaza um corpo? Quero esticar o meu corpo, mas não sei a que horas vai acontecer, quero encolher o meu corpo, mas o mês nunca mais chega. Como é que se cresce? O corpo em forma de balão, cabeça em turbilhão, ar que levamos na mão, é hoje, amanhã ou então?

 

 

Ficha Artística e Técnica

Criação e Encenação João de Brito
Dramaturgia Joana Bértholo
Interpretação João Pedro Dantas, Leonor Keil e Manuela Pedroso
Desenho de Luz Carlos Arroja
Operação Técnica Alexandre Costa
Cenografia, Adereços e Figurinos Cuca
Sonoplastia Fernando Mota
Fotografia e Vídeo Diogo Simão
Design Gráfico Bruno Bua
Comunicação Patrícia Lages
Produção Executiva Margarida Mata
Co-Produção LAMA / Teatro Nacional D. Maria II / Teatro Virgínia
Crédito da Fotografia Jorge Albuquerque

 

 

Locais dos Espetáculos

22 e 23 de Março de 2019, CAPA (Faro)

 

 

Galeria